19 de setembro de 2020

Letra Sonora

Ramon Chrystian

Sobre nossa arte Kitsch e o consumismo

 

Como a arte passou a virar negócio (a partir do séc. XIX), o alvo de negócios é quem possui dinheiro. Nesse ponto, entra a questão da burguesia intelectualizada. Muitos desses detentores de capital não tinham noção de arte, de estética, de conhecimento sobre o assunto, e , portanto, muitas vezes faziam exigências e tinham pretensões de gosto muito duvidoso.

Nasceu o conceito de kitsch, uma expressão de origem germânica com sentido pejorativo ao mal gosto e ao gosto duvidoso . “A definição contemporânea de kitsch é considerada pejorativa, denotando obras executadas para agradar à demanda popular por si só e puramente para fins comerciais, em vez de obras criadas como auto-expressão de um artista.”(1)

O apelo popular é evidente e a superficialidade também, deixando clara a evidência de que não há esforços genuínamente artísticos. Esse conceito tem tudo a ver com o consumismo e podemos observar claramente que, embora não usado o mesmo termo, os detentores de conhecimentos sobre as artes falam em kitsch na atualidade.

Vivemos no mundo da indústria cultural que segundo Theodor Wiesengrund Adorno aliena os cidadãos que passam a ter um “coração-máquina” manipulado, e temos ciência que essa manipulação é feita por meio da mídia que distribui o lixo cultural de forma muito incisiva na sociedade.

Ramon Chrystian A. Lima

Nota:
Kitsch: <http://en.wikipedia.org/wiki/Kitsch >
Acesso em 01 jan 2012.

 

Inscreva-se para receber atualizações

Você se inscreveu em nossa newsletter com sucesso :)

There was an error while trying to send your request. Please try again.

Letra Sonora will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.
%d blogueiros gostam disto: