Música e Adoração

Uma Nova Reforma

Os cinco Solas são os princípios fundamentais da reforma protestante:  Sola Fide (somente a fé); Sola Scriptura (somente a escritura); Solus Christus (somente Cristo), Sola Gratia (somente a graça) e Soli Deo Gloria (Glória somente a Deus). Eles surgiram num momento de contradição com os ensinamentos e práticas da igreja católica há 494 anos.

As discrepâncias bíblicas estavam insuportáveis. Lutero conseguiu o apoio de religiosos e governantes daquela época. Publicou então suas 95 teses na porta da igreja do castelo de Wittenberg, dividindo então a chamada Igreja do Ocidente entre os católicos romanos e os reformados ou protestantes.

Acabei de receber um e-mail onde um pastor/ministro/obreiro ou coisa parecida; o individuo estava tomando um banho de azeite, pra ser exato 12 litros de azeite. Chamaram esse momento de “unção de Arão”. Estão dizendo que é uma das maiores aberrações neopentecostais já divulgadas. 

As distorções bíblicas estão cada vez mais se aproximando do nosso povo, da nossa congregação. Vivemos dias em que manias/trejeitos/ palavras/gestos e atitudes neopentecostais estão ganhando espaço dentro de nossas igrejas; isso é terrível! São práticas sem fundamentos da Palavra, e que tem arrastado multidões para longe daquilo que são ensinamentos e princípios bíblicos deixados por Jesus.

Infelizmente, uma grande porta pra essas “aberrações teológicas” são as músicas utilizadas nos momentos de culto. Ouvi de um teólogo dias atrás que “shekinah” não é uma palavra bíblica. Como assim? Não quer dizer “a glória de Deus”? O pior é que ele tinha razão! Tem mais haver com a cabala do que com a bíblia. O pior é essa palavra está presente em muitas canções cantadas em muitas igrejas. Sem contar os inúmeros grupos de coreografia, “equipe de louvor” e conjuntos chamados shekinah.

Esse é apenas um exemplo daquilo de ruim que tem ganhado espaço dentro do “espaço cristão”.  Será que já não está na hora de uma nova reforma? Até quando vamos suportar tanta besteira vinda de homens que se dizem “homens de Deus” e que se dizem agir em nome de Deus? 

Existem duas saídas: 1ª Lutero terá que ressuscitar pra resolver esse problema, 2ª os líderes da igreja de hoje se despertarão para realizar a Obra do Senhor sem usurpação. O que é mais lógico? Como a 1ª opção não vai acontecer e a 2ª são poucos os que se salvam, que os “Luteros” do século XXI se levantem, e que se encham de esperança em ver uma igreja firmada somente em uma Escritura, tendo Fé somente no Senhor, reconhecendo o senhorio de Cristo, desfrutando da maravilhosa Graça de Jesus e rendendo Glórias somente a Deus. 

 

Fabiano Rocha da Silva
http://fabianorochadasilva.blogspot.com/2011/10/uma-nova-reforma.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *