A Celebração do silêncio

Não tem jeito. A segunda-feira chega mesmo com toda sua vivacidade alucinante: os carros quase sempre engarrafados no trânsito e o som dos motores acordando a vizinhança. 

As rádios cheias de notícias, só suas vinhetas de abertura a 140bpm já deixam o corpo ainda dormente com a adrenalina à flor da pele. As cobranças dos emails logo vêm pelas notificações do smartphone. Precisa-se chegar logo no trabalho. É verdade, toda essa avalanche vem sobre os brasileiros dos grandes centros. (foto da ponte: André Teixeira – O Globo*)

E a música? A mídia atrai a atenção destas pessoas tão atarefadas bombardeando um mesmo hit por toda parte e impregnando as mentes. Ouvir música? Ao andar na rua com o mp3 e no carro com a atenção no trânsito. Nos shoppings, cada loja tem a sua micro-rádio que deixa as pessoas se sentirem nas passarelas. Segundo Theodor W. Adorno, esta cultura aliena os cidadãos que passam a ter um “coração-máquina”.

Na cultura caótica de massa, perdemos muito o senso contemplativo tanto do silêncio quanto o de uma obra musical. O apelo popular é evidente e a superficialidade também, deixando clara a evidência de que muitas vezes não esforços genuínamente artísticos.

“Sem silêncio não tem música. No terceiro milênio, se não reencontrarmos este instante, não conseguiremos nunca chegar à música dos nossos dias. Porque o homem do nosso tempo, não sabe, realmente, o que significa o silêncio. Estamos cercados de um ruído constante, voluntário e provocado. Ao chegar  em casa, cansado, o homem estressado ligará imediatamente a televisão. Quase que de forma automática.”( ZIGGIATTI, Lea. Recursos acústicos e estéticos de um contrabaixo. Correio Popular. Campinas, 29 out. 2002).

Contemplar o silêncio, ouvir o som das aves e o despertar da cidade, levantar para novo dia com mais tranquilidade, ouvir uma música que não seja um hit, ouví-la de forma consciente observando suas nuances, timbres e não como um ruído durante nossos afazeres. Às vezes não fazemos isso. Mas muitas vezes temos este poder de escolha.

Ramon Chrystian A. Lima

Be the first to comment on "A Celebração do silêncio"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*


%d blogueiros gostam disto: