Devocionais

Divagações sobre uma escolha

"Aqui está um rapaz com cinco pães de cevada e dois peixinhos, mas o que é isto para tanta gente? " (João 6.9)

Fazendo uma comparação grosseira com o salário mínimo no Brasil de R$545,00, recebido por vinte e dois dias trabalhados:  Felipe expressou a Jesus que 200 denários, que compreendiam o salário de 200 dias de trabalho (algo na faixa de R$ 4.900,00) seriam insuficientes para alimentar o povo que estava ali querendo ouvir Jesus. 

É claro que para uma multidão de pelo menos 10 a 15 mil pessoas seria insuficiente. Também certamente muitos tinham levado algum lanchinho. Provavelmente o menino que ofereceu os cinco pães e os dois peixes não era o único que tinha. Os outros preferiram guardar para si o que lhes era essencial: a comida para a fome. 

Aquele garoto pode ter imaginado na possibilidade de realmente ficar sem comida ou então ele, conhecendo e confiando no mestre Jesus, entregou de forma tão corajosa aqueles elementos. Talvez mais corajosa e com fé que os próprios discípulos.

Após a multidão se alimentar da pequena porção entregue a Jesus pelo garoto sobraram 12 cestos. Imagine Jesus entregando um cesto para cada discípulo, para que lembrassem que ele é soberano sobre a lógica humana. 

Também imagine que como a quase unanimidade da multidão, guardamos para nós aquilo que devemos entregar a Deus.

  • Guardamos a realização pessoal ao tocar um cântico, onde deveríamos abnegar e entregar a Deus… É o meu momento.
  • Guardamos aquele prelúdio no órgão que deveria ser inspirador no preparo e na condução dos corações ao culto… É o meu deleite.
  • Guardamos o sermão que deveria veicular o evangelho genuíno cumpridor da missão de todo cristão… É a minha oratória e vitrine intelectual. 

A melhor escolha é entregar tudo ao mestre, a melhor escolha é a abnegação.

Ramon Chrystian A. Lima
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *